Violência obstétrica à luz da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.15649/cuidarte.1536

Palabras clave:

Violência contra a Mulher, Teoria de Enfermagem, Assistência Perinatal

Resumen

  • A violencia obstétrica está presente em maternidades.
  • Pode ocorrer de modo velado.  
  • É importante conhecer a percepção das puérperas.
  • Aspectos culturais interferem no modo como a violencia obstétrica é percebida.

Introdução: A violência obstétrica pode ser do tipo física, verbal, psicológica, sexual e negligência da assistência. Não utilização de medicação analgésica, tratamento grosseiro, privação do direito de acompanhante durante o parto, procedimento sem o consentimento da parturiente são exemplos de violência, que está cada vez mais presente e de forma velada nos serviços de saúde brasileiro. Objetivou-se analisar relatos de puérperas sobre violência obstétrica à luz da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural. Materiais e Método: Estudo transversal, abordagem qualitativa, desenvolvido em estratégias de Saúde da Família com 10 puérperas. A coleta de dados foi realizada através de entrevista semi-estruturada cujos resultados foram organizados e adaptados ao modelo Sunrise.  Resultados: A maioria das participantes eram jovens, casadas/união estável, primíparas e com parto vaginal. Na adaptação do modelo, considerando seus conceitos, observou-se ausência de conhecimento do parto/trabalho de parto; medo; violência perpetrada contra as mulheres resultantes da ausência de comunicação, desumanização, exposição do corpo e desconforto, repercutindo em cuidado fragilizado, com insatisfação frente ao serviço de saúde. Discussão: A violência obstétrica é comum no cenário brasileiro, acontecendo muitas vezes de forma velada, pois as parturientes não conhecem sobre o assunto, bem como, seus direitos. Conclusão: A violência obstétrica aconteceu por meio do caráter sexual, físico, psicológico e institucional, tornando o ato de parir algo temoroso, resultante do medo, falhas na comunicação e cuidado fragilizado.

Como citar este artigo: Melo, Bruna Larisse Pereira Lima; Moreira, Felice Teles Lira dos Santos; Alencar, Rayane Moreira de; Cavalcante, Edilma Gomes Rocha; Maia, Evanira Rodrigues; Albuquerque, Grayce Alencar.  Violência obstétrica à luz da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural. Revista Cuidarte. 2022;13(1):e1536. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1536     

Biografía del autor/a

Bruna Larisse Pereira Lima Melo, Universidade Regional do cariri (URCA)

Universidade Regional do cariri (URCA), Farias Brito-CE, Brasil.

Felice Teles Lira dos Santos Moreira, Universidade Regional do Cariri

Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato-CE, Brasil. 

Rayane Moreira de Alencar, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato-CE

Beatriz de Castro Magalhães, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato-CE, Brasil.

Edilma Gomes Rocha Cavalcante, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Universidade Regional  do Cariri (URCA), Crato-CE, Brasil.

Evanira Rodrigues Maia, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato-CE, Brasil.

Grayce Alencar Albuquerque, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Universidade Regional do Cariri (URCA), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.

Referencias

World Health Organization. Relatório Mundial Sobre a Prevenção da Violência 2014. WHO. 2014. file:///D:/_Datos%20de%20Usuario/Descargas/9789241564793_por.pdf

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. 1ª Edição. Brasília (DF); 2015. http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

Barboza LP, Mota A. Violência obstétrica: vivências de sofrimento entre gestantes do Brasil. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, Salvador. 2016; 5 (1): 119-129. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v5i1.847

Pereira C, Domínguez A, Toro J. Violencia obstétrica desde la perspectiva de la paciente. Rev Obstet Ginecol Venez. 2015; 75 (2): 081-090. http://ve.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0048-77322015000200002&lng=es

Guimarães LBE, Jonas E, Amaral LROG. Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins. Rev. Estud. Fem. 2018; 26 (1): e43278. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2018v26n143278

Jardim DMB, Modena CM. Obstetric violence in the daily routine of care and its characteristics. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018; 26: e 3069. https://doi.org/10.1590/1518-8345.2450.3069

Costa MC, Silva EB, Siqueira ET. Gestantes em situação de violência sobre o olhar da saúde: revisão integrativa. Rev Enferm Ufpe On Line. 2015; 9 (2): 965-973. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1024210

Silva JLL, Machado EAM, Costa FS, Sousa JL, Taviera RP, Carolindo FM et al. Relationship between health-disease process and cross-cultural care: contributions to nursing care. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 2013; 5 (1): 3185-95. https://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/33558

Leininger MM. Culture care diversity and universality: a theory of nursing. New York: National League for Nursing Press; 1991.

Leininger MM. Transcultural care diversity and universality: a theory of nursing. Nurs. Health Care. 1985; 6(4): 208-212. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3846132.

Moreira FTL, Melo BLPL, Alencar RM, Magalhães BC, Cavalcante EGR, Maia ER, Albuquerque GA. Violência obstétrica à luz da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural 2022. Mendeley Data, V1. https://data.mendeley.com/datasets/2dnb4mw99c/1

Marrero L, Brüggemann OM. Institutional violence during the parturition process in Brazil: integrative review. Rev Bras Enferm. 2018; 71 (3): 1152-61. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0238

Ministério da Saúde. Ministério da Saúde investe na redução da mortalidade materna. 2018. canalsaude.fiocruz.br. https://www.canalsaude.fiocruz.br/noticias/noticiaAberta/ministerio-da-saude-investe-na-reducao-da-mortalidade-materna-2018-05-28

Vendrúsculo CT, Kruel CS. A história do parto: do domicílio ao hospital; das parteiras ao médico: de sujeito a objeto. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Humanas, Santa Maria, 2015; 16 (1): 95-107. https://www.researchgate.net/publication/311420444_A_HISTORIA_DO_PARTO_DO_DOMICILIO_AO_HOSPITAL_DAS_PARTEIRAS_AO_MEDICO_DE_SUJEITO_A_OBJETO_1

Leal SYP, Lima VLA, Silva AF, Soares PDFLS, Santana LRS, Pereira Álvaro P. Percepção de enfermeiras obstétricas acerca da violência obstétrica. Cogitare Enferm. 2018; 2 (23): e52473. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i1.52473

Azeredo YN, Schraiber LB. Violência institucional e humanização em saúde: apontamentos para o debate. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22 (9): 3013-3022. https://doi.org/10.1590/1413-81232017229.13712017

Bodner A, Leininger M. Transcultural Nursing Care Values, Beliefs and Practices of American (USA) Gypsies. J. Transcult. Nurs. 1992; 4 (1): 17-28. https://doi.org/10.1177/104365969200400104

Sobral. Lei nº 1550 de 15 de Março de 2016. camrasobral.ce.gov.br. 2016. https://www.camarasobral.ce.gov.br/painel/files/docs/norma_lei/LEI1550pdf05122016112231.pdf

Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica. Brasília (DF). 2013. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Rodrigues DP, Alves VH, Branco MBLR, Mattos RM, Dulfe PAMD, Vieira BDG. A violência obstétrica como prática no cuidado na saúde da mulher no processo parturitivo: análise reflexiva. Rev enferm UFPE on line. 2015; 9 (5): 8461-8467. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10613

Rede de Maternidade Ativa. Violência obstétrica: parirás com dor. Senado.gov.br.Brasília; 2012. http://www.senado.gov.br/comissoes/documentos/SSCEPI/DOC%20VCM%20367.pdf

Publicado

2022-04-07

Cómo citar

1.
Lima Melo BLP, Teles Lira dos Santos Moreira F, Alencar RM de, Magalhães B de C, Rocha Cavalcante EG, Rodrigues Maia E, et al. Violência obstétrica à luz da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural. Revista Cuidarte [Internet]. 7 de abril de 2022 [citado 19 de julio de 2024];13(1). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1536

Número

Sección

Artículos de Investigación

Categorías

Altmetrics

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Artículos más leídos del mismo autor/a