Percepção da prematuridade por familiares na unidade neonatal: estudo Transcultural

Palabras clave: Família, Recém-Nascido Prematuro, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, Enfermagem Transcultural

Resumen

Introdução: Conhecer a prematuridade pela percepção das famílias de recém-nascidos internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal sob a perspectiva Transcultural. Materiais e Métodos: Pesquisa qualitativo, descritiva e exploratória. Foram realizadas Observação participante e entrevistas semiestruturadas com 16 familiares de recém-nascidos internados na unidade neonatal de uma maternidade pública do interior baiano. Utilizou-se o software Interface de R pour analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires® e análise de conteúdo. Resultados: Emergiram quatro categorias: O prematuro em suas particularidades na percepção da família; Sentimentos familiares ocasionados pela prematuridade; A espiritualidade como estratégia para significar a prematuridade; A prematuridade por meio dos cuidados profissionais. Discussões: Compreender as experiências das famílias no ambiente neonatal pode contribuir com os profissionais de saúde e instituições na reorientação às suas práticas, visando uma assistência voltada para integralidade, identificando as singularidades de cada família e o reconhecimento da diversidade cultural. Conclusão: Entender a família, em suas necessidades e cultura, colabora com uma assistência mais humana e eficaz, onde a família fará parte do planejamento e da tomada de decisão para cuidar do prematuro amplamente, respeitando o biológico, como também, fatores sociais e psicológicos, contemplando integralmente, o prematuro e sua família.

Como citar este artigo: Nascimento, Ana Celi Silva Torres; Morais, Aisiane Cedraz; Souza, Sinara de Lima; Whitaker, Maria Carolina Ortiz. Percepção da prematuridade por familiares na unidade neonatal: estudo Transcultural. Revista Cuidarte. 2022;13(1):e1043. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1043     

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Ana Celi Silva Torres Nascimento, Universidade Estadual de Feira de Santana

Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil

Aisiane Cedraz Morais, Universidade Estadual De Feira de Santana

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2001), DOUTORADO EM ENFERMAGEM pela ESCOLA DE ENFERMAGEM/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (2013),mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia (2008). Professora Adjunto da Universidade Estadual de Feira de Santana,Docente de disciplinas de Graduação e Mestrado Profissional. Especialista em Saúde da Família, Especialista em Enfermagem Neonatológica, Especialista em Educação Profissional da Área da Saúde. Pesquisadora do NIEVS (UEFS) e Grupo Crescer (EE/UFBA). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem, atuando principalmente com os seguintes temas: adolescente, criança, recém-nascido, cuidado e Saúde da População Negra.

Sinara de Lima Souza, Universidade Estadual De Feira de Santana

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1992), mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia (2000) e doutorado em Ciências pela Escola de Enfermagem da USP de Ribeirão Preto (2009). Atualmente é professor Titular da Universidade Estadual de Feira de Santana. Tem experiência na área de Enfermagem em Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde do Adolescente, atuando principalmente nos seguintes temas: violência, enfermagem, adolescência, família, escola, álcool e outras drogas. Coordena o Núcleo Interdisciplinar de Estudos Sobre Vulnerabilidade e Saúde.

Maria Carolina Ortiz Whitaker, Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Citas

World Health Organization (WHO). Born too soon: the global action report on preterm birth. Genova: WHO. 2012; https://www.who.int/pmnch/media/news/2012/201204_borntoosoon-report.pdf

Leal MC, Pereira APE, Pereira MN, Torres JA, Domingues RMSM, Dias MAB et al. Provider-Initiated Late Preterm Births in Brazil: Differences between Public and Private Health Services. PloS One. 2016; 11(5). https://doi.org/10.1371/journal.pone.0155511

Custodio N, Marski BSL, Abreu FCP, Mello DF, Wernet M. Interações entre profissionais de saúde e mães de prematuros: influência do cuidado materno. Rev. enferm. UERJ. 2016; 24(1):e11659. https://doi.org/10.12957/reuerj.2016.11659

Costa R, Klock P, Locks MOH. Acolhimento na unidade neonatal: percepção da equipe de enfermagem. Rev. enferm. UERJ. 2012; 20(3): 349-53. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/2382/2883

Hagen H, Iversen VC, Svindseth MF. Differences and similarities between mothers and fathers of premature children: a qualitative study of parents’coping experiences in a neonatal intensive care unit. BMC Pediatr. 2016; 16(92). https://doi.org/10.1186/s12887-016-0631-9

Ramezani T, Shirazi ZH, Sarvestani RS, Moattari MM. Family-Centered Care in Neonatal Intensive Care Unit: A Concept Analysis. Int J Community Based Nurs Midwifery. 2014; 2(4):268–278. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4201206/

Cockcroft S. How can family centred care be improved to meet the needs of parents with a premature baby in neonatal intensive care? J Neonatal Nurs. 2012; 18(3):105-10. https://doi.org/10.1016/j.jnn.2011.07.008

Henckemaier L, Siewert JS, Tonnera LCJ, Alvarez AM, Meirelles BHS, Nitschke RG. Cuidado transcultural de Leininger na perspectiva dos programas de pós-graduação em enfermagem: revisão integrativa. Revista Ciência & Saúde. 2014; 7(2):85-91. https://doi.org/10.15448/1983-652X.2014.2.15772

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups.

Int. J. Qual. Health Care. 2007; 19(6):349-57. https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Pereira EF, Ramos MZ, Silveira EMC. Configurações familiares e implicações para o trabalho em saúde da criança em nível hospitalar. Physis. 2016; 26(3):961-979. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000300013

Bardin L. Organização da análise. São Paulo: Edições 70; 2011.

Camargo BV, Justo AM. Tutorial para uso do Softwere IRAMUTEQ (Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires). Lab. de Psic. Social de Comunicação e Cognoção – UFSC. 2018. http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-en-portugais/view

Marchand P, Ratinaud P. L’analyse de similitude appliquée aux corpus textuels : les primaires socialistes pour l’élection présidentielle française. Journées Internacionales d’ Analyse statistique dês Données Textuelles. 2012. http://lexicometrica.univ-paris3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Marchand,%20Pascal%20et%20al.%20-%20L%27analyse%20de%20similitude%20appliquee%20aux%20corpus%20textuels.pdf

Morais AC, Camargo CL. O encontro do caminho metodológico com a Teoria Transcultural do Cuidado. Rio de Janeiro: Bonecker; 2017.

Fleck A, Piccinin CA. O bebê imaginário e o bebê real no contexto da prematuridade: do nascimento ao 3º mês após a alta. Aletheia. 2013; 14-30. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n40/n40a03.pdf

Marchetti D, Moreira MC. Vivências da prematuridade: a aceitação do filho real pressupõe a desconstrução do bebê imaginário? Rev Psicol Saúde. 2015; 7(1):82-89. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpsaude/v7n1/v7n1a11.pdf

Balbino FS, Meschini GFG, Balieiro MMFG, Mandetta MA. Percepção do cuidado centrado na família em unidade neonatal. Rev. enferm. UFSM. 2016; 6(1):84-92. https://doi.org/10.5902/2179769216340

Iserhard ARM, Budó MLD, Neves ET, Badke MR. Práticas culturais de cuidados de mulheres mães de recém-nascidos de risco do sul do Brasil. Esc. Anna Nery. 2009; 13(1):116-122. https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000100016

Joaquim RHVT, Wernet M, Leite AM, Fonseca LMM, Mello DFM. Early interactions between mothers and hospitalized premature babies: the focus on the essential needs of the child. Cad. Bras. Ter. Ocup. 2018; 26(3):580-589. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO1051

Zani, AV, Alvim HC. O filho prematuro de baixo peso: a maternagem hospitalizada. Rev. enferm. UFPE. 2017; 11(Supl. 4): 1724-30. https://pdfs.semanticscholar.org/ef7b/798584a7ee28a3ba19224d184af7617c3f8e.pdf

Cartaxo LS, Torquato JA, Agra G, Fernandes MA, Platel ICS, Freire MEM. Vivências de mães na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev. enferm. UERJ. 2014; 22(4):551-7. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/15422/11663

Siebel SC, Schacker, LC, Berlese DB, Berlese DB. Vivência das mães na amamentação do recém-nascido pré-termo. Espaç Saúde. 2014; 15 (3): 53-64. http://espacoparasaude.fpp.edu.br/index.php/espacosaude/article/view/563/pdf_40

Reis AT, Santos, RS. Maternagem ao recém-nascido cirúrgico: bases para a assistência de enfermagem. Rev. bras. enferm. 2013; 66(1):110-5. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000100017

Santos ND, Thiengo MA, Moraes JRM, Pacheco STA, Silva LF. O empoderamento de mães de recém-nascidos prematuros no contexto de cuidado hospitalar. Rev. enferm. UERJ. 2014; 22(1):65-70. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/11436/8985

Freud S. O mal-estar na civilização. In: edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago; 1996.

Sanches A, Murassaki L, Guerra N. Felicidade e sofrimento: um olhar psicanalítico sobre a cultura da analgesia. 2017. https://issuu.com/institutopsicologiaemfoco/docs/jpf33-web/15

Andrade, DLB, Silva JG, Souza, KS, Costa FM. Mães de bebês prematuros: vivências, dificuldades e expectativas. EFDeportes.com. 2013; 18(186). https://www.efdeportes.com/efd186/maes-de-bebes-prematuros-vivencias.htm

Lima V F, Mazza VA, Mór LM, Pinto, MNGR. Vivência dos familiares de prematuros internados em unidade de terapia intensiva neonatal. REME - Rev Min Enferm. 2017; 21:e-1026. https://doi.org/10.5935/1415-2762.20170036

Publicado
2021-12-13
Cómo citar
1.
Silva Torres Nascimento AC, Cedraz Morais A, de Lima Souza S, Ortiz Whitaker MC. Percepção da prematuridade por familiares na unidade neonatal: estudo Transcultural. Rev Cuid [Internet]. 13 de diciembre de 2021 [citado 29 de enero de 2022];13(1). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1043
Sección
Artículos de Investigación