Acesso e aguardo pela estomização segundo pessoas com câncer colorretal: estudo etnográfico

Palabras clave: Neoplasias Colorretais, Acesso aos Serviços de Saúde, Sistema Único de Saúde, Medicalização, Sociologia Médica

Resumen

  • Os sinais e sintomas (frequentemente não conclusivos) marcam a fronteira da normalidade e anormalidade e início das histórias contadas, suscitando uma crescente dependência de discursos e instâncias biomédicas.
  • As pequenas narrativas ancoradas ao método etnográfico permitiram aos depoentes refletirem sobre uma cultura preventiva e de cuidados a saúde fragilizadas.
  • Tensões como o sentido "paguei no particular" e a mobilização de uma rede informal para agilizar o atendimento modelam o acesso e o descrédito quanto ao sistema público.
  • Ante as narrativas de acesso e aguardo de pessoas com câncer colorretal, interpretou-se a perda do processo de "paciência-resiliência", com deterioração da primeira e aspiração á segunda.

Objetivo: Conhecer o acesso e aguardo pela estomização de pessoas adoecidas por câncer colorretal no nível terciário do Sistema Único de Saúde. Materiais e Métodos: Estudo etnográfico fundamentado na Sociologia da Saúde, com 8 familiares e 14 adoecidos em Centro de Alta Complexidade em Oncologia, Brasil. Os dados foram coletados entre outubro de 2018 a março de 2019, com observação participante e não participante, registro em diário de campo e entrevista semiestruturada. Os depoimentos e notas etnográficas após triangulação foram submetidos a análise indutiva de conteúdo em seis etapas. Resultados: Apreenderam-se “A história do adoecimento entrecortada pelas dificuldades” e “As perdas no processo de paciência-resiliência no percurso”. Discussão: Em busca de validações biomédicas foram reportados três tipos de acesso ao sistema médico, assim como os subsentidos “paguei no particular” e atraso diagnóstico mobilizaram via oficial e não oficial no Sistema Único de Saúde. O capital social foi analisado como premente no adoecimento, uma rede de contatos sem a qual o acesso dos usuários é impactado. No nível terciário enquanto aguardam pela estomização desvelou-se a resiliência não como recurso heroico, mas como recurso pessoal e coletivo diante do percurso dificultoso e da semi-reclusão na instituição total onde vivenciam medos, fadiga e dores. Conclusão:O acesso contou com mobilização relacional e uma gama de vias até a internação com parte do percurso na saúde suplementar, já o aguardo pela estomização mitiga a paciência ao passo que torna a resiliência um recurso benéfico na espera pela programação cirúrgica.

Como citar este artigo: Correa Júnior, Antonio Jorge Silva; Souza, Thaís Cristina Flexa; de Santana, Mary Elizabeth; Sonobe, Helena Megumi; Pimentel, Ingrid Magali de Souza; Carvalho, Jacira Nunes.  Acesso e aguardo pela estomização segundo pessoas com câncer colorretal: estudo etnográfico. Revista Cuidarte. 2022;13(3):e1175. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1175      

Biografía del autor/a

Antonio Jorge Silva Correa Júnior, Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – USP. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Thaís Cristina Flexa Souza, Universidade Federal do Pará

Mestra em Enfermagem pelo Programa de Pós- Graduação em Enfermagem (PPGENF/ICS/UFPA)

Mary Elizabeth de Santana, Universidade Federal do Pará

Pós-Doutorado em Enfermagem Fundamental pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP)

Helena Megumi Sonobe, Universidade de São Paulo

Doutora em Enfermagem Fundamental pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (USP)

Ingrid Magali de Souza Pimentel, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery

Jacira Nunes Carvalho, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referencias

Silva MJSD, Lima FLTD, O'Dwyer G, Osorio-de-Castro CGS. Política de atenção ao câncer no brasil após a criação do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Cancerol. 2017; 63(3): 177-87. http://www1.inca.gov.br/rbc/n_63/v03/pdf/03-artigo-politica-de-atencao-ao-cancer-no-brasil-apos-a-criacao-do-sistema-unico-de-saude.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, INCA. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2019. https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

Oliveira MMD, Latorre MRDO, Tanaka LF, Rossi BM, Curado MP. Disparities in colorectal cancer mortality across Brazilian States. Rev bras epidemiol. 2018; 21: e180012. http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180012

Lima BC, Silva LFD, Góes FGB, Ribeiro MTS, Alves LL. O itinerário terapêutico de famílias de crianças com câncer: dificuldades encontradas neste percurso. Rev gaúcha Enferm. 2018; 39: e20180004. https://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.20180004

Brustolin A, Ferretti F. Therapeutic itinerary of elderly cancer survivors. Acta paul enferm. 2017; 30(1): 47-59. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201700008

Brandenbarg D, Groenhof F, Siewers IM, Van der Voort A, Walter FM, Berendsen AJ. Possible missed opportunities for diagnosing colorectal cancer in Dutch primary care: a multimethods approach. Br J Gen Pract. 2018; 68(666):e54-e62. https://doi.org/10.3399/bjgp17X693905

Carroll CB, Gomide M. Análise de redes na regulação do tratamento do câncer do aparelho digestivo. Cad Saude Publica. 2020; 36(1): e00041518. https://doi.org/10.1590/0102-311X00041518

Horkheimer M, Adorno TW. Sociedade. In: Foracchi MM, Martins JS. Sociologia e sociedade: leituras de introdução à sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 2018; p. 222-232.

Fox NJ. Health sociology from post-structuralism to the new materialisms. Health (London). 2015, 20(1):62-74. https://doi.org/10.1177/1363459315615393

Correia T. Revisiting medicalization: A critique of the assumptions of what counts as medical knowledge. Frontiers Soc. 2017; 2:14. https://doi.org/10.3389/fsoc.2017.00014

Goffman E. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Editora Perspectiva; 2001. https://app.uff.br/slab/uploads/Manicomios-prisoes-e-conventos.pdf

Souza DF, Silvino ZR. The Sociology of Pierre Bourdieu: theoretical potential for the subfield of nursing. Rev Bras Enferm. 2018; 71(4):2055-9. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0505

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007; 19(6): 349-57.

https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Atlas de Desenvolvimento Humano. PNUD, IPEA. 2010. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=36687

Mcintosh MJ, Morse JM. Situating and constructing diversity in semi-structured interviews. Glob Qual Nurs Res. 2015; 2:1-12.https://doi.org/10.1177/2333393615597674

Correa Júnior AJS. Entrevistas do relatório para a dissertação "Os sentidos do adoecimento pelo câncer colorretal: Estudo etnográfico". Figshare Dataset. 2022. https://doi.org/10.6084/m9.figshare.21075967.v3

Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qual Res Psychol. 2006; 3(2): 77-101.http://dx.doi.org/10.1191/1478088706qp063oa

Sy A. La medicalización de la vida: hibridaciones ante la dicotomía Naturaleza/Cultura. Cien Saude Colet. 2018; 23(5):1531-39. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018235.10212016

Dobson CM, Russell AJ, Rubin GP. Patient delay in cancer diagnosis: what do we really mean and can we be more specific?. BMC Health Serv Res. 2014; 14(1):387. https://doi.org/10.1186/1472-6963-14-387

Giovanella L. Basic health care or primary health care?. Cad Saúde Pública. 2018; 34(8). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00029818

Viacava F, Oliveira RADD, Carvalho CDC, Laguardia J, Bellido JG. SUS: supply, access to and use of health services over the last 30 years. Cien Saude Colet. 2018; 23(6):1751-62.http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.06022018

Phillips M. Assets and affect in the study of social capital in rural communities. Sociol Ruralis. 2016; 56(2):220-47. https://doi.org/10.1111/soru.12085

Cheshire L, Esparcia J, Shucksmith M. Community resilience, social capital and territorial governance. Ager. 2015; (18):7-38. http://dx.doi.org/10.4422/ager.2015.08

Houaiss A, Villar MS, Franco FMM, Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia. Pequeno dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. São Paulo: Moderna, 2015.

Solano JPC, Silva AG, Soares IA, Ashmawi HA, Vieira JE. Resilience and hope during advanced disease: a pilot study with metastatic colorectal cancer patients. BMC Palliat Care. 2016; 15(1):70. https://doi.org/10.1186/s12904-016-0139-y

Estêvão P, Calado A, Capucha L. Resilience: moving from a heroic notion to a sociological concept. Sociologia, Problemas e Práticas. 2017; (85):9-25. http://dx.doi.org/10.7458/SPP20178510115

Gomide MFS, Pinto IC, Bulgarelli AF, Santos ALPD, Serrano Gallardo MDP. A satisfação do usuário com a atenção primária à saúde: uma análise do acesso e acolhimento. Interface. 2018; 22(65):387-98.http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0633

Borges JA, Quintão MMP, Chermont SSMZ, Mendonça Filho HTF, Mesquita ET. Fadiga: um sintoma complexo e seu impacto no câncer e na insuficiência cardíaca. Int J Cardiovasc Sci. 2018; 31(4):433-42. http://dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20180027

Brandenbarg D, Korsten JHWM, Berger MY, Berendsen AJ.The effect of physical activity on fatigue among survivors of colorectal cancer: a systematic review and meta-analysis. Support Care Cancer. 2018; 26(2):393-403. https://doi.org/10.1007/s00520-017-3920-4

Van den Beuken-Van MH, Hochstenbach LM, Joosten EA, Tjan-Heijnen VC, Janssen DJ. Update on prevalence of pain in patients with cancer: systematic review and meta-analysis. J Pain Symptom Manage. 2016; 51(6):1070-90. https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2015.12.340

Publicado
2022-10-10
Cómo citar
1.
Correa Júnior AJS, Souza TCF, Santana ME de, Sonobe HM, Pimentel IM de S, Carvalho JN. Acesso e aguardo pela estomização segundo pessoas com câncer colorretal: estudo etnográfico . Rev Cuid [Internet]. 10 de octubre de 2022 [citado 5 de diciembre de 2022];13(3). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1175
Sección
Artículos de Investigación

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.