Caminho na rede formal de cuidado em saúde de pacientes pós-alta hospitalar segundo multimorbidade

Palabras clave: Atención enfocada en el paciente; Morbosidad; Internación hospitalaria; Red de atención médica continua.

Resumen

Introdução: A gestão de informações associadas à multimorbidade na atenção hospitalar é relevante para o planejamento de estratégias de prevenção de agravos à saúde em pacientes de maior risco, a fim de oportunizar a organização de sistemas de saúde de modo eficiente. Objetivo: O presente trabalho objetivoudelinear o caminho formal percorrido por pacientes com e sem multimorbidade, considerando o uso da rede pública de saúde após a internação hospitalar. Materiais e métodos: Realizou-se um estudo quantitativo, transversal, descritivo, utilizando dados primários de 445 pacientes internados em um hospital universitário, no ano de 2018. Os dados foram coletados através de análise do prontuário médico e entrevista telefônica. Os resultados foram analisados por meio de frequência absoluta e relativa. Resultados: Desenvolveu-se um fluxograma, representando os pontos da rede de saúde utilizados pelo paciente após a alta hospitalar, segundo multimorbidade. Verificou-se uma alta prevalência de encaminhamento (com multimorbidade (CM) 93,52%; sem multimorbidade (SM) 97,71%) e comparecimento na atenção secundária à saúde (CM 86,15%; SM 89,63%), um baixo encaminhamento (CM 42,45%; SM 36,27%) e comparecimento na atenção primária à saúde (CM 61,29%; SM 64,81%), e considerando os 3 níveis de atenção juntos, houve um baixo comparecimento (CM 17,98%; SM 21,89%) para ambos os grupos investigados. Discussão: Entende-se que a semelhança de comparecimento em todos os pontos da rede por ambos os grupos é um problema, por tratar de forma igual populações desiguais e consequentemente com necessidades diversas. Conclusões: Sinaliza-se a importância de maior incentivo ao acompanhamento de pacientes com multimorbidade na rede primária de saúde, especialmente no período de pós-alta hospitalar, e a necessidade de fortalecimento da Rede de Atenção à Saúde.

Como citar este artigo: Lima, Melina Lopes; Bordin, Danielle; Furquim, Renata Cristini Fernandes; Cabral, Luciane Patrícia Andreani; Muller, Erildo Vicente; Fadel, Cristina Berger.  Caminho na rede formal de cuidado em saúde de pacientes pós-alta hospitalar segundo multimorbidade. Revista Cuidarte. 2022;13(1):e1279 http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1279

Biografía del autor/a

Melina Lopes Lima, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa-PR, Brasil.

Danielle Bordin, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Cirurgiã-dentista pela Universidade Estadual de Ponta Grossa  (2012). Mestre e Doutora em Odontologia Preventiva e Social pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Especialista em Saúde Pública e Gestão em Saúde Pós-doutoranda do programa de pós graduação de Ciências da Saúde da UEPG.Foi professora colaboradora nas disciplinas de Saúde Coletiva I e II da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - FOA/UNESP (2015). Atualmente é professora colaboradora nas disciplinas de Saúde Coletiva I e II, Educação em Saúde, Práticas em Saúde, História e Paradigmas, Planejamento, Gerenciamento e Financiamento em Serviços de Saúde do Departamento de Enfermagem e Saúde Pública da UEPG.

Renata Cristini Fernandes Furquim, Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais

Enfermeira residente em saúde do idoso pelo Hospital Universitário da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Luciane Patrícia Andreani Cabral, Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais

Diretora Acadêmica do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG, Coordenadora da Comissão de Residência Multiprofissional - COREMU do HU-UEPG. Membro da Comissão Nacional de Residência em Saúde - CNRMS. Mestre em Tecnologia em Saúde pela Pontifica Universidade Católica do Paraná - PUCPR (2014). Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2011) .Graduada em Enfermagem pelo Centro Superior de Ensino dos Campos Gerais (2008). Professora do Departamento de Enfermagem e Saúde Publica da Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG.

Erildo Vicente Muller, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1991), doutorado em saúde coletiva pela Escola Paulista de Medicina (2011), Pós Doutorado em saúde coletiva pela Universidade Federal de São Paulo (2017). Professor associado na Universidade Estadual de Ponta Grossa, ministrando aulas nos cursos de Farmácia e Medicina, nas disciplinas, epidemiologia, políticas de saúde e planejamento e gerenciamento de serviços de saúde. Docente dos cursos de especialização em Gestão de Serviços de Saúde da Escola de Saúde Pública do Estado do Paraná e UEPG. Docente nos programas de residência multiprofissional do Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais(HURCG). Docente do programa de pós graduação stricto sensu em ciências da saúde da UEPG. Atua em pesquisa nos seguintes temas: epidemiologia de doenças crônicas transmissíveis e não transmissíveis, estudos de mortalidade e avaliação em saúde.

Cristina Berger Fadel, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa -PR (1996), mestrado em Odontologia Social pela Universidade Camilo Castelo Branco -SP (2001), doutorado em Odontologia Preventiva e Social pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- SP (2009) e pós-doutorado pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- SP (2016). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Ponta Grossa, onde atua nas disciplinas de Saúde Coletiva do curso de Odontologia. Tem experiência na área de Odontologia e de Saúde Coletiva, com ênfase em Odontologia Social e Preventiva, atuando principalmente nos seguintes temas: odontologia, epidemiologia, educação e saúde, recursos humanos, política de saúde e Programa Saúde da Família.

Referencias

Salive ME. Multimorbidity in older adults. Epidemioloic Rev. 2013; 35(1):75–83. https://doi.org/10.1093/epirev/mxs009

Van Oostrom SH, Picavet HSJ, Van Gelder BM, Lemmens LC, Hoeymans N, Van DijkC, et al.Multimorbidity and comorbidity in the Dutch population-data from general practices. BMC Public Health. 2012; 12(1):715. https://doi.org/10.1186/1471-2458-12-715

Lancet T. Making more of multimorbidity : an emerging priority. Lancet. 2018; 391(10131):1637. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)30941-3

ViolanC, Foguet-Boreu Q, Flores-Mateo G, Salisbury C, Blom J, Freitag M, et al. Prevalence, Determinants and Patterns of Multimorbidity in Primary Care : A Systematic Review of Observational Studies. Plos One. 2014; 9(7):3–12. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0102149

Batista S. A complexidade da multimorbidade. J Manag Prim Health Care. 2014; 5(1):125–126.https://doi.org/10.14295/jmphc.v5i1.205

Nunes B, Thumé E, Facchini LA.Multimorbidity in older adults: Magnitude and challenges for the Brazilian health system Chronic Disease epidemiology. BMCPublic Health. 2015; 15(1): 1–11. https://doi.org/10.1186/s12889-015-2505-8

Carvalho J, Roncalli Â, Cancela M, Souza DL.Prevalence of multimorbidity in the Brazilian adult population according to socioeconomic and demographic characteristics. PlosOne. 2017; 12(4): 1–14.https://doi.org/10.1371/journal.pone.0174322

Nunes B, Soares M, Wachs L, Volz P, Saes M, Duro SM, et al.Hospitalização em idosos: associação com multimorbidade, atenção básica e plano de saúde. Rev de Saúde Pública. 2017; 51(43):1–10. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006646

Chung R, Mercer SW, Yip BHK, Chan SW, Lai FT, Wang HH, et al. The association between types of regular primary care and hospitalization among people with and without multimorbirdity : A household survey on 25, 780 Chinese. Sci Rep. 2016; 6(29758):1–9. https://doi.org/10.1038/srep29758

Hunger M, Thorand B, Schunk M, Döring A, Menn P, Peters A, et al.Multimorbidity and health-related quality of life in the older population: Results from the German KORA-Age study. Health Qual Life Outcomes. 2011; 9(1):53. https://doi.org/10.1186/1477-7525-9-53

Gruneir A, Bronskill SE, Maxwell CJ, Bai YQ, Kone AJ, Thavorn, et al. The association between multimorbidity and hospitalization is modified by individual demographics and physician continuity of care: a retrospective cohort study. Bmc Health Serv Res. 2016; 16(154):1–9. https://doi.org/10.1186/s12913-016-1415-5

Costa RK, Miranda FA. Formação profissional no SUS: oportunidades de mudanças na perspectiva da estratégia de saúde da família. Trabeduc saúde. 2008; 6(3):503-518. https://doi.org/10.1590/S1981-77462008000300006

BoehmerKR, Dabrh AM, Gionfriddo MR, Erwin P, Montori VM.Does thechroniccaremodel meet the emerging needs of people living with multimorbidity? A systematic review and thematic synthesis. Plos One. 2018; 13(2):1–18. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0190852

Forman DE, Maurer MS, Boyd C, Brindis R, Salive ME, Horne FM, et al.Multimorbidity in Older Adults With Cardiovascular Disease. J AmerCollCardiol. 2018;71(19): 2149–2161. https://doi.org/10.1016/j.jacc.2018.03.022

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes%20_cuidado_pessoas%20_doencas_cronicas.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas da População 2019. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); 2019. https://ibge.gov.br/

Ministério da Saúde. Secretaria-executiva. Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas. Programa Nacional de Avaliação dos serviços de saúde - PNASS. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/novembro/11/CADERNO-PNASS-2015.pdf

Paiva SM, Gomes EL. Assistência hospitalar: avaliação da satisfação dos usuários durante seu período de internação. RevLatAm Enfermagem. 2007; 15(5). https://doi.org/10.1590/S0104-11692007000500014

Picolo GD, Chaves LD, Azevedo AL. A produção científica sobre avaliação em serviços de internação hospitalar no Brasil: revisão integrativa. RevEletr De Enf. 2009; 11(2):395–402. https://doi.org/10.5216/ree.v11.47028

Santos FC, Rosa PV, Rosa LH, Pribbernow SC. Avaliação do risco de internação hospitalar de idosos da comunidade no município de Porto Alegre. EstudInterdisciplEnvelhec. 2014; 19(3):839–852. https://doi.org/10.22456/2316-2171.38139

Tabile PM, Bernhard TW, Müller E, Dihel D, Koepp J. A importância do fluxograma para o trabalho da saúde da família na visão do projeto Pet-Saúde. Rev G&S. 2015; 6(1):680–690.

https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/2600

Mendes EV. Organização Pan-Americana da Saúde. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia de saúde da família. Brasília: 2012. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidado_condicoes_atencao_primaria_saude.pdf

Freund T, Kunz CU, Ose D, Szecsenyi J, Peters F. Patterns of Multimorbidity in Primary Care Patients at High Risk of Future Hospitalization. Popul Health Manag. 2012; 15(2): 119–124. https://doi.org/10.1089/pop.2011.0026

Pines L, Pines J, Kellermann A, Gillen E, Mehrotra A. Deciding to Visit the Emergency Departement for Non-Urgent Conditions: A Systematic Review of the Literature. Am J ManagCare. 2013; 19(1):47–59. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4156292/

Khechen B, Haws BE, Bawa MS, Patel DV, Cardinal KL, Guntin JA, et al. The Impact of Comorbidity Burden on Complications, Length of Stay, and Direct Hospital Costs after Minimally Invasive Transforaminal Lumbar Interbody Fusion. Spine. 2019; 44(5):363–368.

https://doi.org/10.1097/BRS.0000000000002834

Arrieta A, García A. Cost sharing and hospitalizations for ambulatory care sensitive conditions. SocSci Med. 2015; 124:115–120. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2014.11.026

Starfield B. UNESCO. Ministério da Saúde. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: 2002. https://repositorio.observatoriodocuidado.org/handle/handle/2326

Tesser CD, Luz MT. Racionalidades médicas e integralidade. CienSaude Colet. 2008; 13(1):196-20. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000100024

Wallace E, Salisbury C,Guthrie B,Lewis C, Fahey T, Smith SM. Managing patients with multimorbidity in primary care. Brit Med J. 2015; 350:6–11. https://doi.org/10.1136/bmj.h176

Ministério da Saúde, Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).Brasília: Ministério da Saúde; 2017.https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Ministério da Saúde.Portaria de Consolidação nº 2, de 28/07/2017, Política Nacional de Atenção Hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.https://antigo.saude.gov.br/atencao-especializada-e-hospitalar/assistencia-hospitalar/politica-nacional-de-atencao-hospitalar-pnhosp

Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização (PNH).Brasília: Ministério da Saúde; 2013. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_de_atencao_saude.pdf

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Saúde da Família. Cobertura da Atenção Básica. Unidade Geográfica: Sul, PR, Ponta Grossa. Período: fevereiro à julho de 2018.https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml

Jerliu N, Toçi E, Burazeri G, Ramadani N, Brand H. Prevalence and socioeconomic correlates of chronic morbidity among elderly people in Kosovo: A population-based survey. BMC Geriatr. 2013; 13(1):1–22. https://doi.org/10.1186/1471-2318-13-22

Koyanagi A, Lara E, Stubbs B, Carvalho AF, Oh H, Stickley A, et al.Chronic Physical Conditions, Multimorbidity, and Mild Cognitive Impairment in Low- and Middle-Income Countries. J AmerGeriat Soc. 2018; 66(4):721–727. https://doi.org/10.1111/jgs.15288

PradoA, Calderón A, Hancco J, Poblador B, Akker M.Multimorbidity patterns: a systematic review. J ClinEpidemiol. 2014; 67(3):254-66. https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2013.09.021

Publicado
2021-12-13
Cómo citar
1.
Lopes Lima M, Bordin D, Fernandes Furquim RC, Andreani Cabral LP, Muller EV, Berger Fadel C. Caminho na rede formal de cuidado em saúde de pacientes pós-alta hospitalar segundo multimorbidade. Rev Cuid [Internet]. 13 de diciembre de 2021 [citado 10 de agosto de 2022];13(1). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1279
Sección
Artículos de Investigación

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.