Dor no idoso acima de 80 anos: características, impactos e estratégias de enfrentamento

Palabras clave: Idoso, Envelhecimento, Dor crônica

Resumen

Introdução: Frente ao envelhecimento mundial e, principalmente, da própria população idosa, atrelado as alterações do processo de senescência, a prevalência de dor crônica tem aumentado exponencialmente. A presente investigação tem como objetivo descrever a presença de dor, suas características e as formas de enfrentamento entre idosos acima de 80 anos. Material e Método:  Trata-se de um estudo exploratório quantitativo descritivo. A coleta de dados se deu por meio do instrumento Inventário Resumido da Dor, além de dados sociodemográficas de 60 idosos acima de 80 anos residentes na área de abrangência de uma equipe da Estratégia de Saúde da Família de um município do centro-oeste paulista. Resultados: A amostra final contou com 60 idosos, estando a média da idade dos participantes em 85,2 anos, sendo a maioria do sexo feminino (64%), viúvas (67%), cor de pele branca (82%), aposentados (67%) e com ensino primário completo (32%). Entre eles, 73% apresentaram dor na última semana, com importantes impactos na vida cotidiana. A localização foi frequente nos membros inferiores, sendo que a dor interfere de forma moderada ou intensa na realização das atividades gerais. Foi observada que 48% dos idosos utiliza da associação de medidas farmacológicas e não-farmacológicas para o alívio da dor, com resultados satisfatórios. Conclusões: O enfrentamento da dor por essa população requer uma abordagem multifatorial e integral envolvendo o cuidado interdisciplinar e o apoio da família. Depreende-se que presença de dor entre os idosos acima de 80 anos é alta, que há interferências na sua rotina diária e amenizam as dores por meio da associação de medidas farmacológicas e não farmacológicas.

Como citar este artígo: Atílio, Fernando Gustavo Cordeiro;  Suzuki, Augusto Furukawa; Damaceno, Daniela Garcia; Alarcon, Miriam Fernanda Sanches; Marin, Maria José Sanches; Girotto, Marcos Antonio.  Dor no idoso acima de 80 anos: características, impactos e estratégias de enfrentamento. Revista Cuidarte. 2021;12(2):e1310. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1310    

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Fernando Gustavo Cordeiro Atílio, Faculdade de Medicina de Marília

Faculdade de medicina de Marília. Unidade de Educação, curso de Enfermagem. Marília, São Paulo, SP- Brasil

Augusto Furukawa Suzuki, Faculdade de Medicina de Marília

Faculdade de medicina de Marília. Unidade de Educação, curso de Medicina. Marília, São Paulo, SP- Brasil.

Daniela Garcia Damaceno, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Enfermeira graduada pela Universidade Estadual de Londrina, especialista em Saúde da Família e Comunidade na modalidade residência pela Faculdade de Medicina de Marília, mestre em "Saúde e Envelhecimento" pelo programa de Mestrado Acadêmico da Faculdade de Medicina de Marília. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Miriam Fernanda Sanches Alarcon, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Programa de pós-graduação em Enfermagem.  Botucatu, SP-Brasil

Maria José Sanches Marin, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Graduada em Enfermagem pela Universidade do Sagrado Coração (1982), Especialista em Saúde Pública, Mestrado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (1995) // Doutorado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (1999) // Pós-Doutorado em Ciências da Saúde pela Escola Paulista de Medicina- UNIFESP (2009). Especialista em Ativação de processos de Mudanças na Formação em Saúde pela ENSP/FIOCRUZ. Tutor Do Curso de Especialização em Formação Docente para o Ensino Médio promovido pela ENSP/FIOCRUZ.(2009 -2011) Pós-Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná (2014). Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Marília desde 1990. Atualmente atua como Docente Permanente do Programa de Mestrado Profissional Ensino na Saúde da Faculdade de Medicina de Marília, no Programa Mestrado Acadêmico Saúde e Envelhecimento da Faculdade de Medicina de Marília e no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (Curso de Mestrado e Doutorado) da Universidade Estadual Paulista Campos de Botucatu. Coordenadora do PET-Saúde da Faculdade de Medicina de Marília de 2010 a 2012. Coordenadora da Unidade de Ensino Trabalho de Conclusão de Curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Marília. Coordenadora do Comitê Ética e Pesquisa com Seres Humanos da Faculdade de Medicina de Marília. Desenvolve pesquisa nas áreas de envelhecimento, atenção básica em saúde e processos de ensino e aprendizagem. Bolsista de Produtividade em Pesquisa - CNPq (PQ-2)

Marcos Antonio Girotto, Secretária Municipal de Saúde de Marília

Graduado em Estudos Sociais (licenciatura plena) e Bacharel em Odontologia pela Universidade de Marília (1988/1990), Especialista em Endodontia pelo Hospital de Reabilitação de Anomalias Crânio-Faciais HRAC/USP (1992) e Ensino em Saúde, pelo Hospital Sírio Libanês (2013), Mestre em Ciências Fisiológicas (1998) e Doutor em Odontologia pela Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP (2003). Atualmente é docente do curso de Odontologia da Universidade do Norte do Paraná/UENP e da Universidade de Marília/UNIMAR e Coordenador da Divisão de Avaliação e Pesquisa da Secretaria Municipal da Saúde de Marília. Professor colaborador do programa de pós-graduação da Universidade Federal de Medicina do Estado de São Paulo/UNIFESP, do programa de Mestrado Profissional da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) e membro parecerista do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Unesp - campus de Marília/SP). Possui experiência nas áreas de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica, Metodologia Científica, Gestão em Saúde e Ensino e Pesquisa.

Citas

Organização Mundial de Saúde (OMS) - Envelhecimento Ativo: Uma política de Saúde: [Em linha]. Brasília: OMS, 2005. [Consult. 05 jan. 2014]. Disponível na Internet: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/186468/WHO_FWC_ALC_15.01_por.pdf;jsessionid=DDA77B4D6806B60539E344BB4A58DBB0?sequence=6

Gomes IR, Mafra SCT. As práticas dos centros comunitários para idosos e a promoção do envelhecimento ativo: uma revisão sistemática. Serv. Soc. Rev. 2020;23(1):24-40. https://doi.org/10.5433/1679-4842.2020v23n1p24

Francisco CM, Pinheiro MA. Espaços de convivência para idosos: benefícios e estratégias. Revista Recien. 2018;8(24):65-72. https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2018.8.24.65-72

Martins RCCC, Casetto SJ, Guerra RLF. Mudanças na qualidade de vida: a experiência de idosas em uma universidade aberta à terceira idade. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2019;22(1). https://doi.org/10.1590/1981-22562019022.180167

Pimentel JO, Loch MR. “Melhor idade”? Será mesmo? A velhice segundo idosas participantes de um grupo de atividade física. Rev. Bras. Ativ. Fis. Saúde. 2020;25:e0140 https://doi.org/10.12820/rbafs.25e0140

Camarano AA, Kanso S. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. In: Freitas EV, organizador. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2013:133-52.

Santos ADAP, Souza IG, Malta JS, Costa JM, Silva KL. Avaliação do acompanhamento farmacoterapêutico de idosos hospitalizados em uso de analgésicos opioides. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro. 2020;10:e3665 https://doi.org/10.19175/recom.v10i0.3665

Lemos BO, Cunha AM, Cesarino CB, Martins MR. O impacto da dor crônica na funcionalidade e qualidade de vida de idosos. BrJP. 2019;2(3):237-41. http://dx.doi.org/10.5935/2595-0118.20190042

Santos ACN, Barbosa ML, Souza AG, Petto J. Know ledge of physical therapy students and professionals about pain: a systematic review. ABCS Health Sci. 2017;42(2):99-104. https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i2.1010

Santos WJ, Giacomin KC, Firmo JOA. O cuidado da pessoa idosa em dor no campo de práticas da Saúde Coletiva. Ciênc. saúde coletiva. 2020;25(11):4573-4582. https://doi.org/10.1590/1413-812320202511.01062019

Wang C, Pu R, Ghose B, Tang S. Chronic Musculoskeletal Pain, Self-Reported Health and Quality of Life among Older Populations in South Africa and Uganda. Int. J. Environ. Res. Public. Healt. 2018;15(12). https://doi.org/10.3390/ijerph15122806

Bettiol CHO, Dellaroza MSG, Lebrão ML, Duarte YA, Santos HG. Fatores preditores de dor em idosos do Município de São Paulo, Brasil: Estudo SABE 2006 e 2010. Cad. Saúde Pública 2017;33(9). https://doi.org/10.1590/0102-311x00098416

CherpakGL, Santos FC. Assessment ofphysicians’ addressing sexuality in elderly patients with chronic pain. Einstein (São Paulo). 2016;14(2):178-84. https://doi.org/10.1590/S1679-45082016AO3556

IBGE. Cidades: Marília: Informações estatísticas [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; [2012] [citado 15 dez 2016]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=352900&search=sao-paulo|marilia

Marília organizacional [Internet]. Marília (SP): Prefeitura Municipal de Marília; [2013]. [citado 15 maio 2016]. Disponível em: http://www.marilia.sp.gov.br/prefeitura/wp-content/uploads/2013/01/AtribuicoesSaude.pdf

ABEP: Associação brasileira de empresas de pesquisas [Internet]. Critério de Classificação Econômica Brasil (CCEB). São Paulo (SP): ABEP; 2014. Disponível em: http://www.abep.org/Servicos/Download.aspx?id=01

Ferreira-Valente MA, Ribeiro JLP, Jensen MP. Further Validation of a Portuguese Version of the Brief Pain Inventory Interference Scale. Clín. salud. 2012;23(1):89-96. https://doi.org/10.5093/cl2012a6

Azevedo LF, Pereira AC, Dia D, Agualusa L, Lemos L, Romão J, et al. Tradução, adaptação cultural e estudo multicêntrico de validação de instrumentos para rastreio e avaliação do impacto da dor crônica. Revista DOR. 2007;15(4):6-56.

Martinez JE, Grassi DC, Marques LG. Análise da aplicabilidade de três instrumentos de avaliação de dor em distintas unidades de atendimento: ambulatório, enfermaria e urgência. Rev. Bras. Reumatol. 2011;51(4):304-8. https://doi.org/10.1590/S0482-50042011000400002

Silva FC, Deliberato PCP. Análise das escalas de dor: revisão de literatura. Rev. bras. ciênc. saúde. 2009;7(19):86-9 https://doi.org/10.13037/rbcs.vol7n19.337

Ferretti F, Silva MR, Pegoraro F, Baldo JE, Sá CA. Dor crônica em idosos, fatores associados e relação com o nível e volume de atividade física. BrJP. 2019;2(1):3-7. https://doi.org/10.5935/2595-0118.20190002

Celich KLS, Galon C. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2009;12(3):345-59. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2009.00004

Topcu SY.Relations among Pain, Pain Beliefs, and Psychological Well-Being in Patients with Chronic Pain. Painmanag. nurs. 2018;19(6):637-44. https://doi.org/10.1016/j.pmn.2018.07.007

Audi, EG, Dellaroza MSG, Cabrera MAS, Santos HG, Helen C, Scaramal DA. Estudo SABE: fatores associados ao uso de medicamentos para controle da dor crônica em idosos. Sci Med. 2019;29(4):e34235. https://doi.org/10.15448/1980-6108.2019.4.34235

Santos FC, Moraes NS, Pastore A, Cendoroglo MS. Dor crônica em idosos longevos: prevalência, características, mensurações e correlação com nível sérico de vitamina D. Rev. dor. 2015;16(3):171-5. https://doi.org/10.5935/1806-0013.20150034

Silva JP, Jesus-Moraleida F, Felicio DC, Queiroz BZ, Ferreira ML, Pereira LSM. Fatores biopsicossociais associados com a incapacidade em idosos com dor lombar aguda: estudo BACE-Brasil. Ciênc. saúde colet. 2019;24(7). https://doi.org/10.1590/1413-81232018247.14172017

Costa LGO, Cruz AO, Noronha DO, Vitoriano MGM, Ferraz DD. Percepção do idoso frágil, do cuidador e do fisioterapeuta sobre a funcionalidade após tratamento fisioterapêutico ambulatorial. R. Bras. Ci. e Mov. 2020;28(2):23-32. Disponível em:http://fi-admin.bvsalud.org/document/view/wtr48

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Dor: o quinto sinal vital [Internet]. Comissão da dor da SBGG; 2018. Disponível em: http://www.amape.com.br/wp-content/uploads/2018/06/SBGG_guia-dor-no-idoso_2018-digital.pdf

Peixoto SDA. Métodos não farmacológicos de controlo da dor [dissertação na Internet]. Lisboa (PT): Faculdade de Medicina de Lisboa; 2016. 50 p. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/29483/1/SaraDPeixoto.pdf

Junior CRP, Jesus FQ, Almeida IO, Coelho KR, Kuznier TP. Estratégias não farmacológicas utilizadas na redução da depressão em idosos: revisão sistemática. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 2018;8:e2273 https://doi.org/10.19175/recom.v8i0.2273

Publicado
2021-07-06
Cómo citar
1.
Atílio FGC, Suzuki AF, Damaceno DG, Alarcon MFS, Marin MJS, Girotto MA. Dor no idoso acima de 80 anos: características, impactos e estratégias de enfrentamento. Rev Cuid [Internet]. 6 de julio de 2021 [citado 29 de julio de 2021];12(2). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1310
Sección
Artículos de Investigación