Efeitos do Trabalho em Turnos e Coping em Profissionais de Enfermagem Hospitalar

Palabras clave: Adaptação Psicológica, Jornada de Trabalho em Turnos, Equipe de Enfermagem, Saúde do Trabalhador, Tolerância ao Trabalho Programado

Resumen

Introdução: Respostas de coping podem influenciar na adaptação dos profissionais ao trabalho em turnos, contribuindo para manutenção da saúde e qualidade de vida. Assim, objetivou-se verificar a associação entre coping e efeitos do trabalho em turnos sobre a saúde dos profissionais de enfermagem. Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado com 124 profissionais de enfermagem em um hospital universitário, no período de agosto a novembro de 2014. Utilizou-se o questionário Coping com o Trabalho por Turnos, instrumentos para avaliação de efeitos do trabalho em turnos na saúde e avaliação da qualidade de vida. Dados analisados estatisticamente, considerando-se significância de 0,05. Resultados: Observou-se associação inversa entre efeitos do trabalho em turnos e escore total do coping (p=0,003). Domínios do coping apresentaram correlações diretas com domínios de qualidade de vida (p<0,05). Das participantes, 46 (37%) profissionais apresentavam efeitos do trabalho em turnos na saúde. Discussão: O uso do coping contribui com menor ocorrência dos efeitos negativos do trabalho em turnos sobre a saúde, dentre estes, funções cognitivas, sono, hábitos alimentares e gástricos, e estresse. Ainda, podendo cooperar para manutenção do bem estar psíquico e físico, adaptação laboral, e melhor qualidade de vida. Conclusões: O conhecimento da relação entre coping e efeitos do trabalho em turnos na saúde pode auxiliar na identificação de meios para promover melhores condições de trabalho, preservando o bem-estar físico e psíquico, e a saúde do profissional de enfermagem.

Como citar este artígo: Antoniolli, Liliana; Souza, Sônia Beatriz Cócaro de; Macedo, Andreia Barcellos Teixeira; Dal Pai, Daiane; Magalhães, Ana Maria Müller de; Magnago, Tânia Solange Bosi de Souza.  Efeitos do Trabalho em Turnos e Coping em Profissionais de Enfermagem Hospitalar. Revista Cuidarte. 2021;12(2):e1169. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1169     

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Liliana Antoniolli, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Sônia Beatriz Cócaro de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica e Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Andreia Barcellos Teixeira Macedo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Daiane Dal Pai, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica e Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Ana Maria Müller de Magalhães, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Assistência e Orientação Profissional e Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Tânia Solange Bosi de Souza Magnago, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Enfermagem e Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil

Citas

Fischer FM, Moreno CR. Trabalho em turnos. In: Mendes R, organizador. Dicionário de saúde e segurança do trabalhador: conceitos, definições, história, cultura. Novo Hamburgo: Proteção Publicações Ltda; 2018. p. 1280.

Tobias PB, Fernandes ER, Kawamoto Jr LT. Opinião dos funcionários de um hospital público a respeito do trabalho em turnos. INOVAE. 2017;5(1):86-99.

Silva R, Zeitoune R, Beck C, Martino M, Prestes F. Efeitos do trabalho na saúde de enfermeiros que atuam em clínica cirúrgica de hospitais universitários. Rev Lat Am Enfermagem. 2016;24:e2743. https://doi.org/10.1590/1518-8345.0763.2743

Bernardo VM, Silva FC, Gonçalves E, Hernández SSS, Arancibia BAV, Silva R. Effects of Shift Work on Sleep Quality of Policemen: A Systematic Review. Rev Cuba Med Mil. 2015;44(3):334–45.

Antoniolli L, Echevarría-Guanilo ME, Rosso LH, Fuculo Jr PRB, Dal Pai D, Scapin S. Estratégias de coping da equipe de enfermagem atuante em centro de tratamento ao queimado. Rev. Gaúcha Enferm. 2018;39:e2016-0073. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2016-0073

Andolhe R, Barbosa RL, Oliveira EM, Costa ALS, Padilha KG. Estresse, coping e burnout da Equipe de Enfermagem de Unidades de Terapia Intensiva: fatores associados. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(spe):58-64. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000700009

Silva C, Azevedo MH, Dias MR. Cronobiologia e Avaliação Psicológica: estudo padronizado do trabalho por turnos. In: Avaliação psicológica: formas e contextos. 3 ed. Braga: Apport; 1995.p.35-42.

Weschsler D. Wechsler Adult Intelligence Scale-Revised. New York: Psychological Corporation, 1981.

Rosat RM, Chaves ML, Ribeiro JP, Izquierdo I. The use of a new non-verbal test in the evaluation of recent memory. Braz J Med Biol Res. 1990;9(23):805-9.

Golden CJ. Stroop color and word test. Chicago: Stoelting, 1978.

Bertolazi AN, Fagondes SC, Hoff LS, Dartora EG, Miozzo IC, De Barba ME, et al. Validation of the Brazilian Portuguese version of the Pittsburgh Sleep Quality Index. Sleep Med. 2011;12:70–5. https://doi.org/10.1016/j.sleep.2010.04.020

Stacciarini JM, Tróccoli BT. Instrumento para mensurar o estresse ocupacional: Inventário de Estresse em Enfermeiros (IEE). Rev Lat Am Enfermagem. 2000;8(6):40-9. https://doi.org/10.1590/S0104-11692000000600007

Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação de qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saude Publica. 2000;34(2):178-83. https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012: Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2013;50 (112 Seção 1):59-62.

Farzianpour F, Nosrati SA, Foroushani AR, Hasanpour F, Jelodar ZK, Keykale MS, et al. Relationship Between Shift Work and Personality Traits of Nurses and Their Coping Strategies. Glob J Health Sci. 2016;8(5):166–74. http://dx.doi.org/10.5539/gjhs.v8n5p166

Souza SBC, Milioni KC, Dornelles TM. Análise do grau de complexidade do cuidado, estresse e coping da enfermagem num hospital sul-riograndense. Texto contexto - enferm. 2018;27(4):e4150017. https://doi.org/10.1590/0104-07072018004150017

Silva RM, Zeitoune RC, Beck CL, Souza SB, Santos E. Cronótipo e acidente de trabalho na equipe de Enfermagem de uma clínica cirúrgica. Texto contexto - enferm. 2015;24(1):245-252. https://doi.org/10.1590/0104-07072015003420013

Kourakos M. Mental health and coping strategies among nursing staff in public health Services. Prog Health Sci. 2017;7(2):67-9. https://doi.org/10.5604/01.3001.0010.7852

Tahghighi M, Rees CS, Brown JA, Breen LJ, Hegney D. What is the impact of shift work on the psychological functioning and resilience of nurses? An integrative review. J Adv Nurs. 2017;73(9):2065–83. https://doi.org/10.1111/jan.13283

Jung H.S, Lee B. Contributors to shift work tolerance in South Korean nurses working rotating shift. Appl Nurs Res. 2015;28:150–5. https://doi.org/10.1016/j.apnr.2014.09.007

Publicado
2021-04-27
Cómo citar
1.
Antoniolli L, Souza SBC de, Macedo ABT, Pai DD, Magalhães AMM de, Magnago TSB de S. Efeitos do Trabalho em Turnos e Coping em Profissionais de Enfermagem Hospitalar. Rev Cuid [Internet]. 27 de abril de 2021 [citado 18 de mayo de 2021];12(2). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1169
Sección
Artículos de Investigación