Prontuário eletrônico em terapia intensiva: validação de instrumento sobre percepção e satisfação da enfermagem

Palabras clave: Tecnologia da Informação, Registros Eletrônicos de Saúde, Informática em Saúde, Cuidados de Enfermagem, Unidades de Terapia Intensiva

Resumen

Introdução: A assistência à saúde requer o registro das atividades desenvolvidas, realizado por meio do prontuário eletrônico do paciente, ferramenta que permeia muitas tarefas, sobretudo, em unidades de terapia intensiva. Problemas nesses sistemas eletrônicos ocasionam consequências com impacto para a assistência. O objetivo foi avaliar a percepção sobre o uso do prontuário eletrônico e a satisfação dos profissionais de enfermagem intensivistas, bem como validar um instrumento de pesquisa para esse fim. Materiais e Métodos: Estudo transversal, quantitativo, desenvolvido na cidade de São Paulo. O instrumento de coleta foi elaborado pelas autoras e validado com relação à aparência e conteúdo. As variáveis categóricas foram comparadas pelo Teste Exato de Fisher e Qui Quadrado; e as variáveis numéricas pelo Teste de Kruskal-Wallis. Resultados: Participaram do estudo 75 profissionais de enfermagem, a maioria era do sexo feminino, pertencentes a categoria de técnicos de enfermagem. A maioria classificou o prontuário eletrônico do paciente como fácil; referiu conhecimento suficiente sobre o prontuário eletrônico do paciente; relatou quantidade insuficiente de computadores no setor e avaliou melhora na segurança do paciente e da equipe de saúde com a utilização do prontuário eletrônico do paciente. As mulheres reportaram maior insatisfação no uso do prontuário eletrônico do paciente, bem como os técnicos de enfermagem. Os enfermeiros têm maior dificuldade na utilização desta ferramenta. Conclusões: O prontuário eletrônico do paciente é fácil de usar e as principais dificuldades estão relacionadas às funcionalidades, sobretudo para os enfermeiros.

Como citar este artigo: Costa, Daiane Vieira Medeiros; Gomes, Vanessa Rossato; Godoi, Ana Maria Limeira de. Prontuário eletrônico em terapia intensiva: validação de instrumento sobre percepção e satisfação da enfermagem. Revista Cuidarte. 2021;12(2):e1332. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1332    

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Daiane Vieira Medeiros Costa, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo

Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto (SP), Brasil.

Vanessa Rossato Gomes, Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo (SP), Brasil

Ana Maria Limeira de Godoi, Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo (SP), Brasil.

Citas

Massad E, Marin HF, Azevedo Neto RS, editores. O prontuário eletrônico do paciente na assistência, informação e conhecimento médico. Available from: http://www.sbis.org.br/biblioteca_virtual/prontuario.pdf .

Cofen. Conselho Federal de Enfermagem. ResoluçãoCofennº 564, de 06 de novembro de 2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Brasília, DF, 2017.

Jenal S, Évora YDM. Desafio da implantação do prontuário eletrônico do paciente. J. Health Inform.2012;4 (Número Especial - SIIENF 2012):216-9. Available from: http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/253/151

Farias JS, Guimaraes TA, Vargas ER, Albuquerque PHM. Adoção de prontuário eletrônico do paciente em hospitais universitários de Brasil e Espanha: a percepção de profissionais de saúde. Rev. Adm. Pública. 2011;45(5):1303-26. https://doi.org/10.1590/S0034-76122011000500004

Lima AFC, Melo TO. Percepção de enfermeiros em relação à implementação da informatização da documentação clínica de enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012;46(1):175-183. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000100024

Fumis RRL, Costa ELV, Martins OS, Pizzo V, Souza IA, Schettino GPP. A equipe da UTI está satisfeita com o prontuário eletrônico do paciente? Um estudo transversal. Rev. Bras. Ter. Intensiva. 2014;26(1):1-6. https://doi.org/10.5935/0103-507X.20140001

Carpeggiani C, Macerata A, Morales MA. Electronic medical record in cardiology: a 10-year Italian experience. Rev. Assoc. Med. Bras. 2015;61(4):317-23. https://doi.org/10.1590/1806-9282.61.04.317

Chang F, Gupta N. Progress in electronic medical record adoption in Canada. Can. Fam. Physician. 2015;61(12):1076-84.

Lahm JV, Carvalho DR. Prontuário eletrônico do paciente: avaliação de usabilidade pela equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2015;20(1):38-44. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i1.36485

Scantlebury A, Sheard L, Watt I, Cairns P, Wright J, Adamson J. Exploring the implementation of an electronic record into a maternity unit: a qualitative study using Normalisation Process Theory. BMC Med. Inform. Decis. Mak. 2017;17(1):4. https://doi.org/10.1186/s12911-016-0406-0

Colleti JJ, Andrade AB, Carvalho WB. Avaliação do uso de sistemas de prontuário eletrônico nas unidades de terapia intensiva brasileiras. Rev. Bras. Ter. Intensiva. 2018;30(3):338-46. https://doi.org/10.5935/0103-507x.20180057

Holden RJ, Asan O, Wozniak EM, Flynn KE, Scanlon MC. Nurses' perceptions, acceptance, and use of a novel in-room pediatric ICU technology: testing an expanded technology acceptance model. BMC Med. Inform. Decis. Mak. 2016;16(1):145. https://doi.org/10.1186/s12911-016-0388-y

Lopez KD, Fahey L. Advocating for Greater Usability in Clinical Technologies: The Role of the Practicing Nurse. Crit. Care Nurs. Clin. North Am. 2018;30(2):247-57. https://doi.org/10.1016/j.cnc.2018.02.007

Fayers PM, Machin D. Quality of Life. 2nd ed. London: Wiley; 2013.

Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc. Saúde Coletiva. 2011;16(7):3061-8. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006

Melo RP, Moreira RP, Fontenele FC, Aguiar ASC, Joventino ES, Carvalho EC. Critérios de seleção de experts para estudos de validação de fenômenos de enfermagem. Rev. Rene. 2011;12(2):424-31.

Bardin, L. Análise de Conteúdo. Lisboa (Portugal): Edições 70; 1995.

Brasil. Ministério da Saúde/Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília, DF, 2016.

Cardoso RB, Ferreira BJ, Martins WA, Paludeto SB. Programa de educação permanente para o uso do prontuário eletrônico do paciente na enfermagem. J. Health Inform.2017;9(1):25-30.

Martins L, Sartor GD, Silva MP. Prontuário Eletrônico do Paciente: Adoção de novas tecnologias de acesso. J. Health Inform. 2019;11(3):67-73.

Gomes PAR, Farah BF, Rocha RS, Friedrich DBC, Dutra HS. Prontuário Eletrônico do Cidadão: Instrumento Para o Cuidado de Enfermagem. Rev. Fund. Care Online.2019;11(5):1226-1235.http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i5.1226-1235

Aquino EML, Menezes GMS, Marinho LFB. Women, Health and Labor in Brazil: Challenges for New Action. Cad. Saúde Públ.1995;11(2):281-290.https://doi.org/10.1590/S0102-311X1995000200012

Burke MS, Ellis DM. Electronic Health Records: Describing Technological Stressors of Nurse Educators. Nurse Educ.2016;41(1):46-8.https://doi.org/10.1097/NNE.0000000000000196

Reis GAX, Hayakawa LY, Murassaki ACY, Matsuda LM, Gabriel CS, Oliveira MLF. Implantação das estratégias de segurança do paciente: percepções de enfermeiros gestores. Texto Contexto - Enferm. 2017;26(2):e00340016. https://doi.org/10.1590/0104-07072017000340016

World Health Organization. The Conceptual Framework for the International Classification for Patient Safety. Final Technical Reportand Technical Annexes. 2009.Available from: https://www.who.int/patientsafety/taxonomy/icps_full_report.pdf

Lima AFC, Melo TO. Percepção de enfermeiros em relação à implementação da informatização da documentação clínica de enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012;46(1):175-83.http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000100024

Barros MMO, Damasceno CKCS, Coêlho MCVS, Magalhães JM. Utilização do prontuário eletrônico do paciente pela equipe de enfermagem. Rev. Enferm. UFPE on line. 2020;14:e241496. http://dx.doi.org/10.5205/1981-8963.2020.241496

Rezende LCM, Santos SR, Medeiros AL. Assessment of a prototype for the Systemization of Nursing Care on a mobile device. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016;24:e2714.https://doi.org/10.1590/1518-8345.0898.2714

Évora YDM. A enfermagem na era da informática (Editorial). Rev. Eletr. Enf. 2007;9(1):14.

Silva MSJ, Ramos IC, Leitão IMT. Percepção da equipe de enfermagem em relação a implantação do prontuário eletrônico: contribuições da tecnologia no cuidado hospitalar. Rev. Paul. Enferm. 2009;28(3):49-57.http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180140

World Health Organization. Medication Without Harm - Global Patient Safety Challenge on Medication Safety. Geneva. 2017. Available from: https://www.who.int/patientsafety/medication-safety/en/.

Publicado
2021-05-18
Cómo citar
1.
Costa DVM, Gomes VR, Godoi AML de. Prontuário eletrônico em terapia intensiva: validação de instrumento sobre percepção e satisfação da enfermagem. Rev Cuid [Internet]. 18 de mayo de 2021 [citado 14 de junio de 2021];12(2). Disponible en: https://revistas.udes.edu.co/cuidarte/article/view/1332
Sección
Artículos de Investigación